Cardeal da Silva: Memórias e ensinamentos de uma parteira que morreu no dia que completou 122 anos

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos”¹ eu vou lembrar de como agosto é um mês denso.  Desde Hiroshima e Nagasaki, es...

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos”¹ eu vou lembrar de como agosto é um mês denso. 

Desde Hiroshima e Nagasaki, esse mês tem sido o marco das surpresas desagradáveis. Em Cardeal da Silva - BA – quem sabe pelo fato de o patrono da cidade, Dom Augusto Álvaro da Silva, ter morrido em agosto - praticamente todas as famílias têm um dia do mês a dedicar uma lembrança nostálgica para algum ente querido.


 Entre aqueles com quem convivi, este ano morreram Antônio Cotoló, no dia 22, tio Nezito, no dia 16, Ideildo, no dia 14 e, no dia 10, aos 122 anos morreu a mais antiga moradora do município, quiçá da Bahia, do Brasil e do mundo: Izaura Maria da Conceição, mais conhecida como dona Lourença (por ter nascido no dia de São Lourenço - 10 de agosto).

Por sinal, as coincidências entre o seu nascimento e morte, como se revelassem o fechamento de um ciclo natural da vida ou um renascimento para a eternidade, foi talvez a última lição deixada por aquela senhora de modos raros. Entre as tradições de antanho que carregara ao século 21 em seu baú de memórias corporais, estava o costume de sempre deixar um restinho da bebida. E as paredes de sua casa, borradas de doses de café pela baixa acuidade visual que lhe acompanhou nos últimos anos, registravam a cerimônia cotidiana, sempre acompanhada de outro rito: o agradecimento pela refeição. Fazia questão de sustentar seu corpo centenário em um cajado para louvar aos céus o prazer de sorver, na ausência de dentes, os alimentos pastosos que recebia diariamente pelas mãos de vizinhos e parentes de criação.

Afinal, não deixou descendentes. Seu único irmão morreu solteiro aos 20 anos e a filha que teria com seu esposo Zé Grande foi abortada quando dona Lourença caiu de um pé de jaca. Sentiu ao mesmo tempo as dores de uma perna quebrada e de uma filha nascida morta. “Nasceu, morreu”, recordava-se, na única síntese possível. Curiosamente, foi uma das principais responsáveis por povoar o município, tendo se dedicado com afinco ao ofício de parteira. “Nossa Senhora do Parto veio me ensinar aqui dentro de casa. Se estivesse chovendo, eu entrava debaixo da chuva e ia. Quando chegava, fazia o pelo sinal [sinal-da-cruz] e pegava a mulher. Se ela tivesse de mau jeito, eu ia ajeitando. Graças a Deus, nenhum [bebê] nunca morreu, nem mulher”, orgulhava-se.

Na ausência de um celular com câmera que pudesse transmitir ao vivo o primeiro choro de um recém-nascido, os pais dos tempos áureos da parteira Lourença anunciavam os nascimentos dos seus filhos soltando foguetes e distribuindo a Meladinha, bebida preparada à base de cachaça, mel, alho e folhas, e servida para celebrar ocasiões especiais. A propósito, não faltavam ocasiões especiais a celebrar. O som de um pandeiro feito com couro de raposa misturava-se às palmas em um samba ritmado pelo encontro do sagrado e do profano. Era um refrigério para os dias de intenso trabalho na lavoura, em um tempo distante do atual modelo de produção agrícola que faz a monocultura em larga escala de eucalipto avançar sobre as tradições produtivas locais e empurrar os nativos da mata atlântica para as áreas urbanas.

“Viva Deus que eu já cheguei no lugar onde eu queria. Me abra a porta que eu morro, não abra que eu já morri. Não me faça eu perder arma, que eu a vida já perdi”, cantava dona Lourença, com sua “voz de bambu rachado tinindo, esganiçada, linda, polindo o cristal”² do tempo, como se a cantiga tivesse sido entoada no dia anterior. “Quando queria fazer um samba, a gente fazia. Amanhecia o dia cantando e dançando, sambando. Ali não tinha barulho, zoada. Hoje só tem putaria”, afirmava, saudosa de quando dançava equilibrando uma garrafa na cabeça e desgostosa das músicas que embalam os festejos atuais.

Em um século, duas décadas e dois anos de vida, revelou que só fez um mal: passou casca de Maturi, a castanha do caju ainda verde, no corpo de um rapaz, queimando-lhe a pele. “Minha mãe foi pro rio mariscar. Quando foi perto de meio-dia, ele chegou lá em casa cantando e me chamou pra nhanhar. Aí eu disse: ‘Que diacho é nhanhar?’ Aí ele disse: ‘Pra foder’. ‘Perainda corno, eu vou dizer a minha mãe’. Aí cheguei, peguei ele, amarrei, panhei cascas de Maturi e passei nele todo. O mal que eu fiz no Brasil foi esse e mais nada, nunca briguei mais ninguém, nunca discuti”, revelou. Sempre seguiu os preceitos deixados pela mãe Bernardina Maria da Conceição: “Minha fia, faça como sua mãe: Não sei, não vi; não vi, não sei. Nunca pegue em nada dos outros, sua mãe lhe criou com caranguejo e peixe do rio”.

As lembranças sobre sua mãe e seus avós maternos, João Pereira dos Santos e Josefa Maria da Conceição, faziam dona Lourença remontar ao maior conflito armado da América do Sul, a Guerra do Paraguai (1864-1870). Segundo ela, seus antepassados vieram correndo da Guerra até se assentar no Riacho da Areia, localidade que pertence atualmente à comunidade do Campo Grande. Por serem negros, provavelmente ocuparam a linha de frente das tropas brasileiras e, após a contenda, foram se refugiar nas áreas mais reclusas do interior. “Quem venceu a Guerra do Paraguá foi nós no Riacho da Areia”, contava, altiva e vaidosa.

Além de sobreviver à Guerra do Paraguai e à travessia do Atlântico, já que a presença dos chamados Negros da Costa era, assim como o de italianos e portugueses, eventos recentes da ocupação naquelas glebas, a família Conceição entregou ao mundo uma das suas mais longevas moradoras um ano antes do início do Massacre de Belo Monte. O Santo Conselheiro, como dona Lourença se referia, teve uma especial predileção pelas peregrinações no território que envolve a região nordeste da Bahia e sudoeste de Sergipe e os seus fiéis seguidores tinham o DNA daquele povo que abriu as janelas de suas casas para ouvir seus conselhos. Um dos ouvidos atentos às recomendações de Antônio Vicente Mendes Maciel, ao que tudo indica, foi o do pai de dona Lourença.

Os conselhos, pregações e premonições do Santo Conselheiro são tão famosos quanto os cemitérios e igrejas que ele reformou ou edificou em municípios como Entre Rios, Esplanada, Crisópolis, Cristinápolis, Olindina, Itapicuru, Aporá, entre outras localidades do entorno. A experiência sociorreligiosa de Belo Monte era bombardeada pelas tropas militares da recém-proclamada República enquanto a menina Lourença aprendia as primeiras palavras. Não demoraria a se dar conta de que o estudo reservado para ela era o manejo da foice e da enxada, as “professoras” do lugar.

De lá pra cá, sobreviveu aos exaustivos trabalhos na semeadura do fumo, herdando até os cento e tantos anos o tradicional hábito de fumar ou mascar o fumo de corda, atravessou incólume duas grandes guerras, passou desapercebida por alguns golpes de estado e planos econômicos frustrados, políticas de eugenia e mitos de democracia racial se sucederam como palimpsesto na paisagem intelectual brasileira e dona Lourença, já mulher feita, ainda teve de se proteger das indesejadas visitas do casal Lampião e Maria Bonita. “Quando Lampião aparecia por aqui eu ia me esconder no mato. Eu de longe abaixadinha vendo ele, mas ele nunca chegou de junto de mim. Meu pai dizia que ele matava gente, e era mesmo”, recordou, como se vislumbrasse o vulto do cangaceiro. “Agora, Maria Bonita era bonita mesmo”.

Superou tudo, na ginga, no samba, na roda, no drible. Aos poucos, foi personificando em sua pele negra, em sua memória flamejante e em sua permanência no meio da mata a mais autêntica e representativa imagem da resistência, reunindo, se assim podemos dizer, as características da imortalidade: uma contemplação respeitosa do universo, uma harmonia entre as necessidades e os desejos, um humor amoroso que abraça tudo, um senso aguçado capaz de distinguir o que é realmente permanente e transitório.

Equilibrando-se na linha tênue entre a vida e a morte, com os mais ambivalentes sentimentos que acompanham a arte de botar gente no mundo, dona Lourença ensinava que para viver bem, além de não pegar no que é dos outros, como recomendava a sua mãe, era preciso seguir outros preceitos básicos: “chamar por Deus, trabalhar e se alimpar”. “E a morte, é o quê?”, perguntei a ela, no dia de seus 120 anos, 10 de agosto de 2015. “A morte? A morte é um vento... sabe? É um vento... Bateu no cachaço, morreu. Comeu uma coisa, fez má, inchou, morreu”, afirmou, encolhendo o cachaço, como quem sopra uma brisa suave após ensinar uma simples e definitiva lição.
Viva os nossos mortos! Viva Antônio Cotoló! Viva tio Nezito! Viva Ideildo! Viva Izaura Maria da Conceição!
¹ Trecho da música Sol de Primavera, de Beto Guedes e Ronaldo Bastos;
² Trecho do poema Cantiga, do livro Bagagem, de Adélia Prado.

Fonte: Entre Rios News
PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
PUBLICIDADE ANUNCIE NO PORTAL APORÁ NEWS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADEANUNCIE NO PORTAL APORÁ NEWS
Nome

Acajutiba,136,Achamos na Web,5,Acidente,143,Ações Sociais,15,Alagoinhas,195,Alerta,17,Aniversariantes da Semana,3,Aniversariantes do dia,1,Anunciantes,4,Aporá,277,Aporá da gente,19,Araçás,1,Aramari,4,Bahia,352,Brasil,261,Camaçari,78,Campanha,13,Campanhas solidária,10,Cardeal da Silva,2,Caso Juliana Carvalho,5,Catu,10,CEPAHO,11,Cinema e TV,98,CNM,11,Coberturas,1,Concursos,17,Conde,16,Copa da Laranja,48,Copa da Laranja 2019,4,Costa do Sauipe,1,Crisópolis,55,Cultura,2,Cursos,5,Datas comemorativas,13,Debate Cidade,145,Desaparecido(a),7,Desemprego,6,Determinação,2,Dicas de Beleza,8,Dicas de decoração,1,Divulgando Talentos,13,Economia,105,Educação,150,Eleições 2018,14,Eleições 2020,5,Eleições municipais 2016,22,Emancipação Politica de Aporá,2,Enquete,2,Entre Rios,67,Entretenimento,130,Esdon Turismo,1,Especial com Músicas,3,Esplanada,153,Esporte,191,Euclides da Cunha,1,Eventos,146,Famosos,300,Feira de Santana,73,Ferramentas do Portal,2,FPM,1,Geral,6,Governo Bolsonaro,2,Histórias Reais,14,Horário de verão,2,Humor,1,Inhambupe,187,Interior da Bahia,59,Itabuna,22,Itamira,55,Itapicuru,64,Jacobina,1,Jornal Portal Aporá News,11,JP Agenciamento de Marketing,4,Justiça,23,Lagarto,2,Lauro de Freitas,3,Leitores assíduos,1,Mata de São João,11,Matérias regional,1,Meio Ambiente,2,Minha Cidade e Educação,35,Minuto de Fé,5,Miss Site,81,Miss Site 2018,2,Miss Site 2019,31,Mundo,110,Mundo Bizarro,103,Mundo Curioso,217,Nota de Esclarecimento,4,Nota de Falecimento,32,Notícias,523,Nova Soure,18,Novidades,7,Olindina,46,Paraíba,6,Parceria & Divulgação,11,Paripiranga,2,Patrocinado,7,Pernambuco,1,Pesquisas,7,Pojuca,4,Polícia,421,Política,165,Povoado Cidade Nova,10,Programa dos Artistas,3,Programa noite com músicas,3,Projeto Comunidade Limpa & Bonita,5,Projeto saúde do município,21,Projeto saúde do munícipio,2,Projetos Sociais,4,Rádio,1,Realizando Sonhos,1,Região,26,Reportagens,1,Resumo das Novelas,4,Retrospectiva do Portal,1,Rio de Janeiro,10,Rio Real,111,Salvador,107,São Paulo,8,Sátrio Dias,6,Saúde & Bem estar,153,Saúde do Município,3,Sergipe,33,Simões Filho,39,Só Notícias Boas,22,Superação,19,Ta sabendo?,58,Tecnologia,88,Tobias Barreto,41,Tragédia,21,Trânsito,12,Tribunal,1,TV PAN,2,UBS Aporá - Saúde do município,3,Vagas de emprego,115,Vídeo,41,Você Repórter,89,
ltr
item
Portal Aporá News: Cardeal da Silva: Memórias e ensinamentos de uma parteira que morreu no dia que completou 122 anos
Cardeal da Silva: Memórias e ensinamentos de uma parteira que morreu no dia que completou 122 anos
https://4.bp.blogspot.com/-Zv_RJ2vDMQw/WcBhhWPXV7I/AAAAAAAAIT4/sibAEZo8iDYXqKmOGDtYMtgXaXTvgP3tgCLcBGAs/s320/mulher.jpg
https://4.bp.blogspot.com/-Zv_RJ2vDMQw/WcBhhWPXV7I/AAAAAAAAIT4/sibAEZo8iDYXqKmOGDtYMtgXaXTvgP3tgCLcBGAs/s72-c/mulher.jpg
Portal Aporá News
https://www.portalaporanews.com.br/2017/09/cardeal-da-silva-memorias-e.html
https://www.portalaporanews.com.br/
https://www.portalaporanews.com.br/
https://www.portalaporanews.com.br/2017/09/cardeal-da-silva-memorias-e.html
true
5424239145499978499
UTF-8
Carregando todas as notícias Não encontramos esta notícia Ver todas Ler mais Resposta Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS NOTÍCIAS View All VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE CATEGORIAS ARQUIVOS PESQUISAR TODAS AS MATÉRIAS Não encontrou nenhuma correspondência posterior com o seu pedido Voltar para o início Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$ 1 $$ minutos atrás 1 hora atrás $$ 1 $$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTA MATÉRIA É PREMIUM Para acessar a matéria completa clique na opção curtir. Assim você contribui para maior visibilidade do site. Copie todo o código Selecione todo o código Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar